expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>
Contato: piedadenoticias@hotmail.com

AQUI EU MORO, AQUI EU COMPRO. SÃO 7 MOTOS!

AQUI EU MORO, AQUI EU COMPRO. SÃO 7 MOTOS!
Prestigiar o comércio local é valorizar a si mesmo

Santa Rosa

Casa de Rações NASKASA

Casa de Rações  NASKASA

ALPHA TRANSITO - Recursos de Multas

Nossa Ótica

Nossa Ótica
Qualidade sempre!

Clinica Stima

Clinica Stima

Lifan X60

Lifan X60
CLIQUE NA IMAGEM PARA ACESSAR

sábado, 29 de abril de 2017

Aumento da produtividade da batata-doce é uma das muitas novidades da Agrishow 2017

Até 17 toneladas de batata-doce
por hectare

Foto: agrolink.com.br
A Diretoria Municipal de Agricultura, disponibilizará, gratuitamente, um ônibus com 48 lugares para os produtores rurais de Piedade que têm o interesse em participar da Feira Agrishow 2017, que acontecerá entre os dias 1 e 5 maio, em Ribeirão Preto.

O ônibus sairá de Piedade com destino ao evento no dia 4 de maio, às 4h30min. Para participar, os agricultores devem se dirigir à Diretoria de Agricultura e apresentar nome, número do R.G e telefone para formalizar um cadastro. A iniciativa da Agricultura ocorreu devido à grande procura de produtores da cidade em prestigiar o evento. O Sebrae Aqui Piedade também lotou um ônibus que foi disponibilizado gratuitamente para viagem à Feira.

Projeto desenvolvido no Polo Regional de Presidente Prudente da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, permite aumentar a produtividade de batata-doce. Alguns produtores chegam a produzir 17 toneladas por hectare. Na Agrishow 2017, pesquisadores da Apta apresentarão tecnologia de limpeza fitossanitária da planta, que resulta no aumento de produção e renda ao produtor e na oferta de produto ao consumidor. A tecnologia será exposta no espaço Vitrine Tecnológica para Pequenas Propriedades, no estande da Secretaria de Agricultura.

Ganho de produtividade - Projeto de pesquisa desenvolvido pela Apta em Presidente Prudente, maior região produtora de batata-doce do Estado, identificou que os maiores entraves na produção eram os problemas fitossanitários, com reflexos negativos na produtividade da cultura. Para ajudar a solucionar os problemas, pesquisadores da Agência começaram a multiplicar ramas de batata-doce a partir de matrizes livres de vírus.

De acordo com a pesquisadora da Apta Sônia Maria Nalesso Marangoni Montes, dados do Instituto de Economia Agrícola (IEA-Apta) refletem o ganho de produtividade obtido pelos produtores de batata-doce. Houve incremento de 22% na produtividade da batata-doce em Presidente Prudente, Araçatuba e Sorocaba nos últimos três anos. “Temos observado em alguns produtores selecionados produtividade média de 15 a 17 toneladas por hectare”, afirmou.

No início do projeto, poucos produtores aceitaram testar o material livre do vírus, porém, com os bons resultados, outros se mostraram interessados em também montar um viveiro com matrizes de qualidade fitossanitária. Atualmente, o uso de matrizes livres de vírus está consolidado na região, responsável por 25% da produção paulista de batata-doce.

Na Agrishow 2017, a Apta mostrará ao público as mudas livres de vírus das cultivares canadense e uruguajana, materiais mais cultivados em Presidente Prudente. A ideia é mostrar ao público a importância de se utilizar plantas com qualidade fitossanitária. Isso resultará em aumento na produção e, consequentemente, melhora na renda.


Como foi feita a pesquisa?

Para disponibilizar matrizes livres de vírus aos produtores, os pesquisadores da Apta coletaram ramas de variedades de batata-doce plantadas na região de Presidente Prudente e realizaram a cultura de meristema – processo utilizado para a obtenção de plantas livres de vírus. As plantas obtidas em laboratório, denominadas plantas matrizes, foram aclimatadas e cultivadas em viveiros. “As plantas matrizes fornecem ramas que podem ser multiplicadas de maneira rápida em bandejas e são, posteriormente, plantadas no campo para que ocorra a multiplicação”, explicou a pesquisadora.

Antes da pesquisa desenvolvida pela Apta, os produtores adquiriam as ramas a partir de plantas de lavouras comerciais, já em época de colheita, sem considerar as condições de nutrição e sanidade. “Trabalhos como esse mostram a importância da pesquisa científica para o agricultor e a necessidade de a pesquisa estar próxima dos produtores, uma das recomendações do governador Geraldo Alckmin”, afirmou Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

A Agrishow 2017 será realizada entre os dias 1 e 5 de maio, das 8h às 18h. O endereço é Rodovia Prefeito Antônio Duarte Nogueira, Km 321 - Ribeirão Preto - São Paulo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário